Seguidores

domingo, 5 de julho de 2009

Soneto do Vento



Oh vento! Não conheço a tua imagem
Apenas entendo a tua linguagem
No verão passa e o som é silente
No inverno, furioso e veemente

No outono, eriça as folhas dormentes
Na primavera chega menos imprudente
Em qualquer tempo, serás tangente
E as birutas agradecem alegremente

Desce sereno até, os mais baixos vales
Ao topo das montanhas sobes grandioso
Impiedosas tempestades causas nos mares

E assim, abstrato, misterioso e impetuoso
Os dias seriam sem teus cantares
Opressos,sisudos sem teu ar precioso

Diná Fernandes

3 comentários:

Maria Barros disse...

Que lindo soneto amiga! Parece até música!
Lindo, lindo, lindo..., lindo!!!!

Bjinhusssss pra VC!

Luis F disse...

Amiga é um prazer navegar neste teu mundo, encontrar as tuas belas palavras, a harmonia e a paz.

Os meus parabéns por todo o momento que aqui deixas e que se torna bálsamos para quem te lê.

Bjs
Luis

Maria Maria disse...

Oi, amiga!!!!!!!!

Adorei esse soneto. Lindo!!!!!!!!

Beijos de cá, de nós,

Maria Maria